A Biblioteca


A Biblioteca “Prof. Wilson José Caritá” foi criada no dia 22 de outubro de 2016 e está instalada em uma das salas do Espaço Cultural ENGEP, sede do Instituto Sociocultural “Cassio de Freitas Levy”. A Biblioteca funciona também como sede da Academia Limeirense de Letras-ALLe.
Em constante crescimento, seu acervo físico é formado por obras que abrangem as temáticas da história, das artes e do patrimônio cultural. Destacam-se as obras escritas por autores limeirenses, bem como sobre a história local e regional.

A Biblioteca está aberta ao público em geral nos horários de funcionamento do Espaço Cultural ENGEP, de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h, e aos sábados das 9h às 13h. Todos os materiais não são circulantes, devendo a consulta ser realizada apenas no local. Conta ainda a biblioteca com uma base de dados virtual, especializada em História de Limeira.


O Patrono

Wilson José Caritá nasceu em Limeira-SP, em 9 de dezembro de 1947, filho de Ângelo Caritá e Rosária Mercuri Caritá, descendentes de imigrantes italianos residentes na Fazenda Santa Gertrudes e Sítio Água Branca, pertencentes ao município paulista de Santa Gertrudes. O casal veio residir em Limeira onde teve 8 filhos: 6 homens e 2 mulheres. Wilson José foi o primogênito.
No campo educacional, realizou seu curso primário na Escola Brasil em Limeira. Seu objetivo, desde a infância piedosa, era seguir o sacerdócio. Então, com onze anos, iniciou seus estudos no Seminário Diocesano da Imaculada Conceição, em Campinas, SP. Não era adepto dos esportes, fazendo isso por obrigação curricular. Por outro lado, adorava ler sobre história, filosofia, teologia, possuindo uma cultura exemplar e dotado também de uma memória infalível. No seminário, além das disciplinas normais, também estudava latim, grego e francês. Durante sua vida foi um grande defensor do ecumenismo e fez contatos com diversos pastores.

Em 1967, deixou o seminário retornando a Limeira para cursar o 3º ano clássico na Escola Estadual Castello Branco. No ano seguinte cursou o 1º ano de filosofia na Universidade Católica de Campinas e, não estando satisfeito com o curso, resolveu optar por História, na mesma Universidade onde já se destacava pelo seu espírito crítico, observador e polêmico. Residia em Campinas chegando a trabalhar como bancário para ajudar na sua manutenção. Por indicação de um amigo começou a lecionar História em Arthur Nogueira, SP, na Escola Comercial Nossa Senhora das Dores onde também se destacou como ótimo professor.

Após o término da Faculdade retornou a Limeira onde começou a trabalhar no Cartório de Registro de Imóveis do Sr. Mário Assumpção, na função de escrevente. São inúmeras as escrituras que passaram por suas mãos, sempre fazendo um trabalho impecável e muito elogiado por quem as recebiam. À noite lecionou em diversas escolas, nesse período até 1986, quando foi aprovado em dois concursos: um federal e outro estadual na área de educação.

Em 28 de junho de 1975, em Limeira, na Igreja Santa Terezinha, casou-se com Élide Kühl recebendo as bênçãos de Deus e do Padre Arlindo De Gaspari. Tiveram 3 filhas: Elidiane, Cristiane e Giovana. São dois os seus netos: João Vitor e Lucas Francisco.
A partir de 1975 suas pesquisas se intensificaram colhendo materiais para diversas obras que foram escritas ao longo dos anos. Entre elas, destacam-se: A Igreja de Nossa das Dores de Limeira, publicada pela Sociedade Pró-Memória de Limeira; Biografia do Brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão; Centenário do Nascimento do Professor Antônio de Queiroz; A História da Santa Casa e da Câmara Municipal, a serem publicadas ainda.










Com uma formação acadêmica extensa, participou em congressos, seminários, encontros, palestras, além dos serviços prestados em entidades e também outras atividades em administração escolar.
Em 1986, prestou dois concursos, tendo se destacado no de títulos e provas para professor de “História Militar” do Magistério da Aeronáutica (nível superior), conseguindo o primeiro lugar após passar por uma banca de professores e oficiais da Academia da Força Aérea de Pirassununga (AFA). Com essa aprovação honrosa lecionou por 3 anos sendo muito admirado por seus alunos, colegas e oficiais. Quando deixou a Academia, por opção, seus alunos o presentearam com uma linda placa de prata em agradecimento e reconhecimento por todo o aprendizado em suas concorridas aulas. Nesse período na Academia da Força Aérea o Prof. Caritá fez toda diferença deixando muitas saudades! Em Limeira, entre tantas escolas, trabalhou como efetivo na Escola Trajano Camargo e na Escola Estadual Castello Branco, até se aposentar.

Logo depois, começou a dar sinais da doença de Alzheimer, o que foi confirmado mais tarde pelos médicos. Por esse motivo, sua promissora carreira de professor, pesquisador e escritor foi interrompida precocemente iniciando um longo período de cuidados especiais. A família acompanhou este processo, vendo o professor perdendo sua memória e sua identidade, olhando seus livros sem ter mais nenhum interesse, olhando para seus familiares sem saber quem eram e para sua esposa perguntando: “quem é você?”. Inesquecíveis e dolorosos foram esses momentos!

Após anos de luta contra a doença que o atingiu sem piedade, Wilson José Caritá faleceu no dia 29 de fevereiro de 2016 ao lado de sua esposa Élide que sempre o acompanhou com muito carinho, dedicação e amor. Entre as homenagens póstumas prestadas a sua memória, destacam-se a exposição: Visões do Sagrado – Arte Sacra na Diocese de Limeira, realizada no período de 18 de março a 2 de julho de 2016, pensada, produzida e executada pelo Instituto Sociocultural “Cassio de Freitas Levy” (Espaço Cultural Engep) e pela Diocese de Limeira. Vale destacar que, durante muitos anos, Caritá atuou como Ministro da Eucaristia e confrade da Confraria da Igreja Nossa Senhora da Boa Morte e Assunção de Limeira, onde também exerceu o cargo de secretário da mesma. Além dela, no dia 22 de outubro de 2016, por meio da cooperação entre Academia Limeirense de letras e o Espaço Cultural Engep, o professor Caritá foi novamente homenageado com a inauguração da Biblioteca que leva o seu honroso nome, que entre outras realizações pretende fomentar atividades de arrecadação, seleção e disponibilização de acervos relativos à cidade de Limeira e região, história da arte e patrimônio cultural. Outra importante homenagem ocorreu no dia 31 de agosto de 2017, quando do Colóquio Internacional “Ibicaba, 200 anos” realizado no Teatro Municipal “Ataliba Barrocas”, em Cordeirópolis, SP, onde foi homenageado pelos seus estudos sobre a imigração europeia. Tudo isso em sua memória, pois ele foi um grande estudioso, amigo e incentivador da preservação da história e memória limeirense.